Sobre mindfulness

A meditação conhecida como Mindfulness é uma técnica de treinamento mental que visa acalmar o fluxo caótico dos pensamentos, aumentando a capacidade de concentração e atenção de forma voluntária, focada e relaxada.

O termo mindfulness tem uma tradução difícil para o português, mas podemos dizer que descreve um eBrain wavesstado mental particular de atenção. É aquele momento onde você está total e completamente absorvido com o momento presente, sem pensar em coisas do passado ou do futuro, e percebe quando sua mente se distrai. É uma forma de prestar atenção ao que está acontecendo exatamente agora, a cada momento, de forma acolhedora e sem julgamentos.

Ao estimular uma observação imparcial dos eventos, a meditação Mindfulness nos ajuda a olhar os acontecimentos com outros olhos, trazendo uma nova perspectiva para os eventos, possibilitando novas escolhas, mais conscientes.

Em geral, quando prestamos atenção por longos períodos, sentimos muito cansaço – é preciso muito esforço para manter nossa concentração e em geral o corpo sofre com as tensões musculares. Nesta prática meditativa, você aprende a relaxar o corpo e manter a mente desperta.

A técnica de mindfulness tem suas raízes na tradição budista e foi adaptada para ambientes de saúde no início da década de 1980. Inicialmente, Jon Kabat-Zinn desenvolveu um programa para auxiliar pacientes com problemas de dores crônicas e depois o programa expandiu para transtornos de ansiedade, depressão e hoje é utilizado em diversos setores da saúde. O protocolo de Kabat-Zinn recebe o nome de Mindfulness-Based Stress Reduction (MBSR) e foi base de inspiração para outros protocolos. O mais famoso é o Mindfulness-Based Cognitive Therapy (MBCT), desenvolvido pelos professores Mark Williams, John Teasdale e Zindel Segal da Oxford University. Atualmente, o MBCT é o protocolo padrão do sistema público de saúde da Inglaterra, indicado para pacientes com Depressão Grave e Recorrente.

Mas além do protocolo MBSR e MBCT, outros formatos também foram explorados e desenvolvidos, sempre tendo a mindfulness como base de prática e teoria. Para citar apenas alguns, temos a Dialectical Behavior Therapy (DBT) de Marsha Linehan, para pacientes com Transtorno de Personalidade Borderline; a Action and Commitment Therapy (ACT) de Stephen Hayes, para diversos tipos de transtornos; e o Body In Mind (BMT) de Tamara Russell, baseado em movimentos físicos e inspirado nas práticas marciais.

Da mesma forma, Katya Stübing desenvolveu um protocolo próprio para o público geral, o Treinamento de 8 Semanas em Meditação Mindfulness (T8SM) e outro protocolo para pacientes graves com Transtorno Alimentar que está em fase de finalização.

A meditação Mindfulness também está expandindo para a área da educação infantil e dos meios corporativos, por ajudar praticantes de todas as idades na resolução de problemas e na lida com situações estressantes, aumentando a capacidade de escolhas mais conscientes e mais satisfatórias.

Mindfulness é um treino mental livre de vínculo religioso, onde você aprende a focar sua atenção de forma voluntária, aumentando seu rendimento nas diversas atividades do dia-a-dia.

Assim como qualquer nova habilidade, é preciso dedicação e esforço. Longe de ser uma atividade passiva, o praticante é estimulado a perceber os pensamentos sem se envolver com eles, assumindo o controle de sua atividade metal. Essa é a meta final e para alcançá-la, é preciso disciplina e vontade.

Ao diminuir o fluxo dos pensamentos, a meditação favorece a percepção de que somos muito mais do que nosso processo mental. Ao entrar em contato com sua dimensão interior, o praticante vivencia uma tranquilidade e paz que são extendidas para suas ações no cotidiano.

Referências:

BAER, R. (2005). Mindfulness-Based Treatment Approaches. Clinician’s Guide to Evidence and Application. Academic Press (Elsevier). Amazon

FORTNEY, L.; TAYLOR, M. (2010). Meditation in Medical Practice: a Review of the Evidence and Practice. Primary Care Clin Office Pract, No 37: 81-89. Science Direct

HERBERT, J.D.; FORMAN, E.M. (orgs) (2011). Acceptance and Mindfulness in Cognitive Behavior Therapy: Understanding and Applying the new therapies. New York: John Wiley & Sons. Amazon

KABAT-ZINN, J. (1990). Full Catastrophe Living: Using the wisdom of your body and mind to face stress, pain and illness. Delta Books. Amazon

KABAT-ZINN, J.; MASSION, A. O.; KRISTELLER, J.; PETERSON, L. G.; FLETCHER, K. E.; PBERT, L; LENDERKING, W. R.; SANTORELLI, S. F. (1992). Effectiveness of a Meditation-Based Stress Reduction Program in the Treatment of Anxiety Disorders. Am J Psychiatry, 149: 936-943. PDF from Google

KRISTELLER, J. L.; HALLETT, C. B. (1999). An Exploratory Study of a Meditation-based intervention for Binge Eating Disorder. Journal of Health Psychology, No 4: 357. PDF from Google

MARS, T. S.; ABBEY, H. (2010). Mindfulness Meditation Practice as a Healthcare Intervention: a Sistematic Review. International Journal of Osteopathic Medicine, No 13: 56-66. Science Direct

RUBIA, K. (2009). The Neurobiology of Meditation an its Clinical effectiveness in Psychiatric Disorders. Biological Psychology, 82: 1-11. Science Direct

WALLACE, B.A; SHAPIRO, S. (2006). Mental Balance and Well-Being: Building Bridges Between Buddhism and Western Psychology. American Psychologist, Vol 61, N7: 690-701.  Google Scholar

Salvar